Robôs utilizam luz UV para limpar hospitais

  • em 30 de março de 2020

A pandemia mundial de coronavírus mobiliza as empresas que estão na fronteira da tecnologia, e não apenas no segmento de saúde. Muitas que se aperfeiçoaram em ferramentas de inteligência artificial e automação foram recrutadas e, hoje, desempenham papel importante nesse combate. Na China, país onde o contágio caminha em rota de descida, e na Itália, que está no pico da infecção, robôs são utilizados para a limpeza de hospitais.

Essas máquinas realizam o saneamento dos quartos e centros cirúrgicos por meio de raios ultravioletas. Cada equipamento possui oito lâmpadas que, emanando feixes de luz muito fortes, emitem a radiação. Os robôs também interagem com os presentes. Dão ordens para deixar os recintos, já que a luz é prejudicial ao ser humano.

Os equipamentos são fornecidos pela UVD Robots, empresa inglesa fundada em 2016 pela Blue Ocean Robotics. Eles já vinham alcançando bons números mesmo antes da pandemia. “O negócio já estava crescendo em um ritmo bastante alto, mas o novo coronavírus aumentou a demanda”, diz Per Juul Nielsen, executivo-chefe da companhia, em entrevista para a BBC.

E mais: Startup cria triagem on line de pacientes do Covid-19

Eficiência dos robôs

Nielsen afirmou que a capacidade da empresa vem conseguindo atender os pedidos. Hoje, levam um dia para fabricar um robô. Grande parte da produção seguiu para Wuhan, província chinesa epicentro da epidemia. Porém, as vendas recentes estão indo muito para a Europa. “A Itália tem gerado uma demanda muito forte”, acrescenta Nielsen. “É claro que queremos ajudá-los.”

As máquinas da UVD foram lançadas no ano passado, em uma parceria entre Blue Ocean e o Odense University Hospital. Cada robô vem sendo vendido por U$ 67 mil. O custo é justificado pela eficiência.

“Existem muitos organismos problemáticos que dão origem a infecções”, explica Hans Jørn Kolmos, professor de microbiologia clínica da Universidade do Sul da Dinamarca, que ajudou a desenvolver o robô. “Se você aplicar uma dose adequada de luz ultravioleta em um período adequado de tempo, poderá ter certeza de que se livrará deles”.

Veja também:

Fapesp destina R$ 30 mi a projetos contra o coronavírus

Boas notícias sobre o coronavírus

Mundo conhece o primeiro robô “vivo”


Views:
1178
Article Categories:
CoronavírusNotícias

Ver também