China lançará em breve a sua criptomoeda sem a tecnologia blockchain

O mercado de moedas virtuais receberá um componente de peso nos próximos dias. O Banco do Povo, assim chamado o Banco Central da China, lançará uma cripto própria, após um trabalho de pesquisa que durou cinco anos. Diferente do Bitcoin e dos outros já disponíveis, a criação chinesa não será baseada na tecnologia blockchain, proibida no país.

O objetivo do governo asiático, mais do que gerar receita em um segmento lucrativo, é reduzir custo. A impressão das cédulas tradicionais do Reminbi, que atendem uma população de quase 1,4 bilhão, consome muito dos cofres do Estado.  A ideia também é dar ao partido comunista maior controle do sistema financeiro. Vai de encontro, portanto, do caráter liberto e sem bandeiras das criptomoedas habituais.

Mu Changchun, vice-diretor do departamento de pagamentos do Banco do Povo, explicou que tanto o banco quanto todas as instituições financeiras do país estarão aptas a emitir a nova moeda.

E mais: Facebook anuncia a Libra, sua criptomoeda

Mesmo sem data para chegar ao público, o surgimento de uma cripto com guarita estatal traz mais polêmica ao já discutido segmento. Continuam, por exemplo, as discussões nos parlamentos de diversos países, como os Estados Unidos, em torno de uma possível regulação das moedas virtuais e a tecnologia blockchain. Por conta desses problemas, o Facebook já anunciou ser possível abortar o projeto da libra, sua cripto.

Veja também:

Cripto do Telegram será vendida ao público

Grandes corporações embarcam na moeda do Facebook

A pizza de 10 mil dólares: o que eu aprendi com o Bitcoin

Views:
765
Article Categories:
Notícias

Ver também