Assistentes virtuais entram na rotina de milhões de pessoas

A nossa realidade está cada vez mais próxima dos futuros representados nos filmes de ficção científica, com robôs e dispositivos ultra tecnológicos. O caminho ainda é muito longo, mas o surgimento dos assistentes virtuais nos indica que as “máquinas” já estão nos ajudando em nossas atividades corriqueiras.

De acordo com a pesquisa da NPR em parceria com a Edison Research, 53 milhões de norte-americanos contam com o auxílio de um serviço de alto-falante inteligente dentro de casa. Sendo que 14 milhões se tornaram adeptos da tecnologia só no ano passado. A pesquisa ainda revela que o crescimento de vendas dos assistentes virtuais foi maior do que o percentual obtido pela venda de tablets e  smartphones. Só no final de 2018, cerca de 8% de norte-americanos saíram na busca por um alto-falante inteligente.

Esses dispositivos, de modo geral, são usados como alarmes, como controle de outros aparelhos inteligentes da casa, para jogos e para encontrar estabelecimentos utilizando serviços de mapas digitais, como por exemplo, o Google Maps. Entre os cômodos que mais usufruem da tecnologia estão a sala e cozinha.

Contudo, não é só no auxílio em casa que os assistentes virtuais contribuem. Eles podem ser grandes aliados quando o assunto é controle periódico da saúde. Também colaboram com a independência de pessoas com mobilidade reduzida e idosos.

Alexa e Smartwartch

A Amazon Alexa, que é comandada por voz, está entre os assistentes com função de controle de horários. Ela pode lembrar a idosos, por exemplo, quais os horários ideais para tomar remédios. Além disso, suas funcionalidades permitem que o usuário desligue a luz ou a TV sem a necessidade de se deslocar até o interruptor ou o aparelho.

Outro dispositivo que tem atraído atenção dos consumidores e contribuído para essa imersão da tecnologia nas tarefas do cotidianas é o Smartwatch. O destaque do relógio inteligente fica justamente por conta dos benefícios que eles podem trazer para a segurança de idosos.

O relógio também é capaz de acionar a emergência e salvar vidas. Há uma semana, jornais noticiaram que um aparelho do tipo produzido pela Apple (Apple Smart) salvou a vida de um senhor na Noruega. Toralv Ostvang, de 67 anos, se acidentou no banheiro de casa, teve um ferimento na cabeça e perdeu a consciência. Os sensores no dispositivo perceberam que ele estava desacordado e acionaram as autoridades de saúde. O socorro chegou a tempo.

Para saber mais sobre inovação, tecnologia e o ecossistemas de startups, siga nosso portal nas redes sociais. @PortalNeoRadar

Veja mais:
A pizza de 10 mil dólares: o que eu aprendi com o Bitcoin
Educação na era 4.0
Desafios e oportunidades do financiamento à inovação
Darwinismo Empresarial: quem não se adapta, não evolui

Visualizações:
3267
Categorias:
Notícias

Ver também