Pesquisadores identificam anticorpo que neutraliza o coronavírus

anticorpo covid-19

A pesquisa mostra que o anticorpo conseguiu neutralizar o vírus em células in vitro, porém mais pesquisas são necessárias para comprovar sua eficácia no combate à covid-19

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Utrecht, nos Países Baixos, publicou a descoberta de um anticorpo capaz de neutralizar e impedir a infecção das células pelo novo coronavírus. O estudo, publicado na revista científica Nature Communications, ressalta que o anticorpo, chamado 47D11, funcionou para conter o novo vírus em testes de laboratório in vitro.

A equipe de pesquisadores estrangeiros já estudava anticorpos direcionados ao Sars CoV, vírus da mesma família que causou uma epidemia na China em 2002. E, assim, o grupo pensou em testar o painel de opções descoberto também para o novo coronavírus, o Sars CoV-2, responsável pela atual pandemia em 2020.

Os pesquisadores analisaram 51 tipos de anticorpos diferentes se baseando no genoma do vírus Sars, que é da mesma família do novo coronavírus. O 47D11 é um anticorpo humano, o que pode ajudar a acelerar o processo de testes clínicos que podem dar origem a uma vacina.

“Usando essa coleção de anticorpos do Sars-CoV, identificamos um anticorpo que neutraliza a infecção pelo Sars-CoV-2 em células curadas”, escrevem os autores.Nos testes, o anticorpo 47D11 foi capaz de bloquear a infecção dos dois vírus em células humanas. Para isso, ele atacou as espículas de proteína que se prendem às células humanas e, a partir desse ponto, permite que os vírus se reproduzam e contaminem milhões de células, causando sintomas como febre, dificuldade para respirar e tosse.

Os pesquisadores buscam agora avaliar se o anticorpo pode ser usado para a criação de uma vacina contra o novo coronavírus. No entanto, uma série de testes ainda é necessária para descobrir se o 47D11 pode se comportar no corpo humano da mesma forma que se comportou em laboratório e se ele não oferece risco à saúde.

Mundialmente, cerca de 100 vacinas e 200 medicamentos estão sendo desenvolvidos e testados por pesquisadores e empresas do ramo farmacêutico. A Universidade de Oxford, no Reino Unido, por exemplo, estima que criará a primeira vacina eficaz contra o novo coronavírus em setembro deste ano.

Views:
534
Article Tags:
Article Categories:
CoronavírusNotícias

Ver também