94,7% dos voluntários da CoronaVac não apresentaram efeitos colaterais

  • em 23 de setembro de 2020

O governo de São Paulo apresentou, nesta quarta-feira, 23, dados da fase de testes da CoronaVac, vacina do laboratório chinês Sinovac contra a covid-19, que é desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan. Segundo o estudo, dos 50 mil voluntários na China, 94,7% não tiveram efeitos colaterais. Na parcela que apresentou alguma reação, a maior parte foi de apenas uma dor no local da aplicação (3,08%). 

Entre os sintomas mais graves, somente sete efeitos foram relatados em quatro voluntários, como fadiga (1,53%) e febre (0,21%), o que era esperado pelos pesquisadores. Os resultados preliminares mostraram ainda que a vacina tem uma eficácia de 98%. O dado é similar ao já visto em grupos específicos de voluntários, como o de idosos.

“Não estamos numa corrida pela vacina, mas pela vida. Quanto mais vacinas, mais brasileiros serão salvos. Os estudos na China mostram eficiência de 98% da Coronavac entre os testados por lá. Reconfirmo que o primeiro lote, de 5 milhões de doses, chega ao Butantan em outubro e serão aplicadas em São Paulo”, disse o governador João Doria em entrevista coletiva nesta quarta-feira.

No Brasil, 9.000 voluntários participam da fase de testes em seis estados brasileiros. Se o cronograma do governo São Paulo se mantiver, a expectativa é que este processo vá até outubro. Com a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a imunização poderia começar em dezembro, como já anunciado por Doria.

E mais: Célula transparente é capaz de transformar janelas em painéis solares

A previsão é de que os 46 milhões de habitantes de São Paulo serão vacinados contra a covid-19 até fevereiro de 2021. Até lá, o estado deve ter um total de 60 milhões de doses. “A tecnologia usada nessa vacina é muito tradicional, que há muitos anos tem sua segurança comprovada. Temos confiança que o teste de fase 3 terá um bom resultado, e enfrentará um prazo curto para conseguir o registro na Anvisa”, disse Xing Han, chefe representante da Sinovac para a América Latina.

Além da importação, São Paulo vai construir uma fábrica com capacidade de produzir 120 milhões de doses da vacina . De acordo com a previsão feita pelo governo de São Paulo, as obras serão iniciadas em novembro deste ano e o projeto executivo já foi contratado. Parte do investimento — 160 milhões de reais — vem da iniciativa privada. Outra parte do dinheiro, no valor de 80 milhões de reais, foi prometida pelo Ministério da Saúde nesta quarta-feira.

Views:
386
Article Categories:
Notícias

All Comments

Ver também